Saber como funciona a previdência privada é a melhor forma de entender os motivos que levam inúmeras pessoas a aderir a esse tipo de investimento. O rendimento da previdência privada é atrativo e seguro, em uma visão de futuro em que esses são, certamente, pontos importantes.

Em razão da reforma previdenciária, inúmeros trabalhadores estão cheios de dúvidas a respeito do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), e com razão. Ninguém sabe ao certo como será sua aposentadoria daqui a alguns anos, já que o governo federal fez ajustes que dividem a opinião de especialistas em Economia e Direito Previdenciário — e que vêm causando polêmica na opinião pública.

Nesse cenário incerto, contar com um plano de previdência privada é fundamental para quem quer garantir uma aposentadoria mais tranquila ou até guardar dinheiro para resgatar num futuro próximo. Afinal, os rendimentos desse tipo de aplicação são bem atrativos.

Quer se inteirar sobre o assunto? Continue lendo para entender como funciona o rendimento da previdência privada, passando por sua definição até a sua estrutura. Mostramos suas vantagens em relação à poupança e outros pontos interessantes. Acompanhe!

O que é e como funciona a previdência privada?

A previdência privada — também chamada de complementar — é uma aposentadoria que não tem nenhum tipo de vínculo com o INSS. Funciona como uma opção complementar à previdência pública.

Mas isso não significa que a previdência privada não siga regras estabelecidas pelo poder público. Ela é regulamentada e fiscalizada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), que é um órgão do governo federal.

Ao aderir a um plano de previdência privada, você escolhe o valor e a periodicidade de sua contribuição. É possível, por exemplo, contribuir com R$ 1.200 uma única vez ao ano ou parcelar esse valor em mensalidades de R$ 100.

Vale lembrar que o retorno será proporcional ao investimento. Assim, quanto maiores forem suas contribuições, maior vai ser o dinheiro recebido no futuro.